A ONU pede aos Estados membros para contribuírem com mais tropas para Operações de Paz

By on 16 de Septiembre de 2018 0 258 Views

O subsecretário-geral da ONU para Operações de Paz, Jean-Pierre Lacroix, pediu na quarta-feira aos Estados membros que contribuam com mais tropas e policiais para a manutenção da paz da ONU.
“Também gostaria de aproveitar esta oportunidade para pedir a todos os Estados membros, especialmente aqueles com as mais avançadas capacidades militares, que contribuam com mais tropas e policiais para a manutenção da paz da ONU”, disse Lacroix em um debate aberto do Conselho de Segurança da ONU.
“Ainda temos uma necessidade contínua de capacidades críticas, incluindo helicópteros, capacidades de combate ao IED, forças de reação rápida, consciência situacional e apoio médico”, disse ele, observando que “agradecemos todas as contribuições nessas áreas”.
Falando da importância das mulheres nas operações de manutenção da paz da ONU, Lacroix observou que “o engajamento dos Estados membros também é fundamental para aumentar o número de mulheres que fazem parte da manutenção da paz”.
“Mais mulheres em manutenção da paz simplesmente tornam a manutenção da paz mais eficaz. Precisamos aumentar significativamente o número de mulheres em todos os níveis e dentro de componentes uniformes e civis. Também precisamos garantir que eles possam participar de forma significativa em nosso trabalho”, disse o chefe ddas forças de paz da ONU.
“As mulheres são apenas 21% do nosso pessoal. Podemos fazer melhor”, observou Lacroix.
No entanto, ele disse, com muito trabalho, “vimos algumas melhorias”.
“Estratégias de gênero para o Departamento de Operações de Manutenção da Paz (DPKO, na sigla em inglês) e do Departamento de Apoio de Campo (DFS, na sigla em inglês), bem como dentro de cada uma de nossas missões, e a Estratégia de Paridade de Gênero Uniformizada, estão começando a produzir resultados”, disse ele.
“No quartel-general, as mulheres representam 18% de todos os oficiais do Escritório de Assuntos Militares e estamos comprometidos em aumentar ainda mais essa proporção. No campo, policiais do sexo feminino representam 21% de nossos policiais e 7% de nossas Unidades Policiais Formadas”.
“Pretendemos continuar nossos esforços para aumentar o número de mulheres na manutenção da paz na sede e no campo, de acordo com a Resolução 2242 do Conselho de Segurança”, observou Lacroix.
“As políticas que promovemos só podem ser alcançadas por meio do envolvimento ativo dos Estados membros. Portanto, saúdo os esforços envidados por vários Estados membros e apelo a todos vocês para promover essas iniciativas e aumentar significativamente suas contribuições com mulheres mantenedores da paz”, observou ele.
Em sua instrução, Lacroix delineou as medidas tomadas pela ONU e os resultados obtidos. Uma das principais áreas inclui a avaliação do desempenho das forças de manutenção da paz.
“Estamos colocando em prática as políticas e sistemas de avaliação que permitirão a todos nós, coletivamente, melhor adaptar nossos esforços para fortalecer a manutenção da paz e melhor apoiar todas as forças de manutenção da paz, sejam elas uniformizadas ou civis”, informou o Conselho de 15 membros.
O engajamento e a mobilização de todas as partes interessadas e, especialmente dos Estados membros, é vital para alcançar o sucesso, ressaltou o chefe das forças de paz da ONU.
Em particular, ele convocou todos os estados membros a “avaliar a evolução do desempenho das operações de manutenção da paz da ONU”, inclusive através de visitas a eles e compartilhando de suas descobertas com a ONU.
Concluindo o suas instruções, ele destacou a importância de uma forte parceria com grupos da sociedade civil, particularmente no esforço em curso para prevenir a exploração sexual e o abuso pelo pessoal da ONU, bem como garantir a prestação de contas e apoio às vítimas.
Nesse contexto, ele também pediu aos países que contribuam com tropas para concluir investigações sobre alegações de irregularidades dentro de seis meses, o prazo para os investidores da ONU concluírem seu trabalho.
“Somente trabalhando juntos a ONU, os Estados membros e a sociedade civil acabarão com esse comportamento, o que prejudicará irremediavelmente as vítimas e prejudicará a reputação de milhares de funcionários da ONU que servem com honra”, disse ele.
Falando ao lado de Lacroix, Sarah Blakemore, CEO da organização não-governamental, Mantendo as Crianças Seguras, pediu sistemas de proteção fortes para impedir que o abuso aconteça e, caso ocorra, para garantir que as vítimas sejam protegidas e apoiadas, e levar os perpetradores à justiça.
“Muitas vezes as vítimas não têm como denunciar os abusos, sem cuidados médicos ou psicossociais e sem acesso à justiça”, disse ela.
“Apelamos aos líderes mundiais para defenderem a segurança das crianças nos níveis mais altos, exigindo que todas as organizações envolvidas na manutenção da paz implementem padrões robustos de salvaguarda internacional da criança, incluindo a defesa dos direitos das vítimas.”
Em março, o secretário-geral da ONU, António Guterres, lançou a Ação pela Manutenção da Paz (A4P, na sigla em inglês), para fortalecer o compromisso político global com as operações de manutenção da paz.
Ele também pediu aos Estados membros que se unam a ele no desenvolvimento de um conjunto de princípios e compromissos mutuamente acordados para criar operações de manutenção da paz adequadas ao futuro, com o objetivo de chegar a um acordo formal até o final do ano.
Esforços específicos incluem a Declaração de Compromissos Compartilhados, que foi endossada por 55 nações até 11 de setembro, bem como consultas temáticas sobre construção da paz, desempenho, proteção de civis, parcerias e dimensões políticas, tais como mandato e recursos da operação de paz, papeis do Conselho de Segurança..
A Resolução 2378 da ONU, adotada em 20 de setembro de 2017, solicitou ao secretário-geral que apresentasse um relatório anual completo sobre a reforma da manutenção da paz da ONU, dentro de um ano após a adoção da resolução, seguido de um debate.
A instrução de Lacroix no debate, que foi principalmente sobre a reforma da paz, forneceu uma oportunidade para discutir alguns dos esforços de reforma realizados no ano passado pelo secretário-geral, inclusive sobre gestão e arquitetura de paz e segurança, bem como uma avaliação inicial de várias revisões independentes das operações de manutenção da paz realizadas por iniciativa do Conselho ou do Secretariado.

Deixe uma resposta

A %d blogueros les gusta esto: