Consciência Cidadã

By on 25 de Junio de 2019 0 102 Views

Escreve: Carlos Roberto da Costa Leite *

Vivemos mergulhados em compromissos, que nos exigem, a cada momento, nossa presença. Como robôs programados, cumprimos uma agenda, muitas vezes, negligenciando nossos reais desejos. Anestesiados, fazemos nossas refeições, cumprimos nossa carga horária e o ponto eletrônico nos sorri. Ao término o mês, o salário nos dá a ilusão de que tudo está politicamente correto, pois, embora fique aquém de satisfazer nossas necessidades, não fazemos parte da lista dos desempregados do país.
Digno de espanto é o preâmbulo da nossa Constituição, no qual consta de que o salário mínimo deve suprir as necessidades básicas do ser humano, incluindo lazer. É evidente que, na prática, a realidade do povo brasileiro não corresponde ao texto constitucional. Somos reféns de um ideal democrático que se anunciava viável, a partir de uma abertura política (1984), após 21 anos de um ditadura civil-militar(1964-1985), e de uma Constituinte (1988) que elaborou nossa atual Carta Magna.
Durante o Império, nossa primeira Constituição (1824), outorgada por dom Pedro I, considerava cidadão, com direito ao voto, somente àqueles que possuíam renda. Tratava-se do voto censitário – que excluía, dessa forma, a maioria da população pobre e analfabeta do processo político. Não podemos nos esquecer de que a nossa base econômica, por quatro séculos, foi o latifúndio e o braço do escravizado, sendo que o Brasil foi o último país, no contexto das Américas, a abolir a escravidão (1888) e a última monarquia em meio a vários países republicanos.
Desde o Brasil Colônia, os fantasmas que nos assombram, ligados à corrupção e ao nepotismo, já eram alvo da implacável crítica do poeta baiano Gregório de Mattos Guerra (1636-1696), “O Boca do Inferno”. Esse legado secular de transgressões conhecido como “jeitinho brasileiro”, atualmente tem sido acompanhado pela mídia e denunciado aos órgãos competentes. Quanto à maioria da população brasileira, esta segue alimentando a ESPERANÇA que reside no fundo da “Caixa de Pandora” como no mito grego.
Em relação aos problemas brasileiros, há quem os justifiquem por sermos um país jovem, cuja colonização iniciou no século 16, num período em que a Europa estava em expansão político-econômica durante as Grandes Navegações; outros já defendem a tese de que a colonização exploratória foi determinante para a formação de oligarquias. Discussões à parte, a ideia de um país do futuro não foge ao contexto do discurso oficial de que a Terra Brasilis ainda não atingiu a maioridade política daqueles que ocupam o pódio no primeiro mundo.
O Brasil possui velhas feridas, “ainda abertas”, cuja cicatrização perpassa, além das questões econômicas, por mudanças de ordem moral e ética. A consciência cidadã é o
passaporte que nos possibilita a construção de uma sociedade mais fraterna e pautada por políticos que não governem apenas para as elites. Que as palavras exclusão social e impunidade possam se tornar apenas termos impressos em algum dicionário de um velho sebo, e a democracia plena, finalmente, seja vitoriosa na Terra de Vera Cruz, marcada, desde a sua colonização, pela espoliação de suas riquezas, mas também pela sua rica diversidade cultural.

 

*Pesquisador e coordenador do setor de imprensa do MuseCom

 

Deixe uma resposta

%d bloggers like this: