Famílias fogem da Faixa de Gaza pelos intensificados conflitos entre Hamas e Israel

By on 18 de Mayo de 2021 0 324 Views

Pelos conflitos entre palestinos e israelenses, Najah Abu Salem, 60 anos, e sua família tiveram que fugir de sua casa na Faixa de Gaza.
“Estou preocupada com meus filhos e netos. Os israelenses estão bombardeando pesadamente. É a maior violência desde a guerra de 2014”, disse Abu Salem, que mora na parte oriental do enclave costeiro sitiado que faz fronteira com Israel.
“Levamos apenas nossos pertences pessoais… Não há nenhum lugar seguro em Gaza, mas o oeste da cidade é melhor”, disse ela antes de entrar em um carro para se abrigar na casa de um parente no bairro oeste.
A família de Abu Salem não é a única que é forçada a fugir dos conflitos em andamento. As principais ruas do norte e leste de Gaza estão lotadas de palestinos que escapam de ataques aéreos israelenses.
A forte escalada começou na segunda-feira depois que o Hamas deu um ultimato para Israel retirar suas forças do complexo da mesquita de Al-Aqsa, onde centenas de palestinos foram feridos em confrontos com a polícia israelense no início do dia.
O Hamas afirmou que pelo menos 133 palestinos foram mortos nos ataques aéreos israelenses, incluindo 36 crianças e 20 mulheres. Israel afirmou que sete israelenses foram mortos e mais de 100 feridos por ataques aéreos disparados por militantes do Hamas.
Ahmed Ayyad, 35 anos, também morava na parte leste da cidade de Gaza com sua esposa e três filhos. Entre muitos deslocados, eles caminharam vários quilômetros até o centro da cidade.
“Tenho que sair rapidamente porque é muito perigoso aqui. O bombardeio mal para e não quero que meus filhos sejam machucados”, disse Ayyad enquanto carregava dois de seus filhos.
Ele lembrou a morte de dezenas de palestinos, incluindo alguns de seus parentes, durante a guerra em 2014. “Espero que o conflito termine em breve e um acordo de cessar-fogo seja alcançado para salvar a vida de nosso povo. Gaza tem o direito de viver com calma e segurança como o resto das pessoas no mundo”.
A maioria das famílias deslocadas que vivem perto da fronteira com Israel se abrigaram em casas de parentes, em hospitais governamentais e escolas da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos no Oriente Próximo (UNRWA).
Em uma das escolas da UNRWA no oeste de Gaza, Um Mohammed Obaida reclamou dos conflitos fatais.
“Nossa casa fica a apenas 500 metros da fronteira com Israel. Não conseguimos dormir à noite devido ao pesado bombardeio que atingiu quase todos os cantos da Faixa de Gaza”, disse ela, com lágrimas escorrendo pelo rosto magro e pálido. “Devíamos comemorar os feriados do Eid al-Fitr, mas o conflito nos deixou deslocados”.
A UNRWA afirmou que muitos palestinos estão se abrigando em suas escolas, especialmente na parte norte de Gaza.
“Tal como aconteceu com as experiências anteriores de conflito armado em Gaza, a UNRWA tem que transformar escolas identificadas em abrigos devidamente administrados rapidamente”, afirmou a agência em um comunicado.
“Em 2021 a situação é um tanto diferente, pois agora temos que considerar a pandemia de COVID-19 e como minimizar o risco de pessoas se aglomerarem em um espaço muito confinado e espalhar o vírus”, acrescentou o comunicado.
A UNRWA afirmou que atualmente está implementando as medidas necessárias nessas escolas transformadas em abrigos e está fazendo todo o possível para garantir que essas escolas sejam seguras o suficiente para os deslocados.
Israel convocou milhares de reservistas antes de uma possível operação terrestre na Faixa de Gaza controlada pelo Hamas.
Gaza está sob forte bloqueio israelense desde que o movimento islâmico Hamas tomou o território à força em 2007, após derrotar forças leais ao presidente Mahmoud AbbasTrês grandes guerras estouraram entre 2008 e 2014 na Faixa de Gaza, que deixou milhares de mortos e feridos, a maioria deles palestinos.
O Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) estimou que cerca de 10.000 palestinos deixaram suas casas em Gaza devido às hostilidades em andamento.
“Eles estão se abrigando em escolas, mesquitas e outros lugares durante uma pandemia global de COVID-19 com acesso limitado a água, alimentos, higiene e serviços de saúde”, segundo o documento.
“Os hospitais e o acesso aos serviços de água e saneamento dependem da eletricidade, cujo combustível acabará no domingo”, acrescentou.
Pediu que as autoridades israelenses e grupos palestinos permitam imediatamente que a ONU e seus parceiros humanitários tragam combustível, alimentos e suprimentos médicos e enviem pessoal humanitário.

Deixe uma resposta

A %d blogueros les gusta esto: